domingo, 29 de setembro de 2013

ECUMENISMO É POSSÍVEL

Inédita celebración entre Francisco y un rabino

El Mundo
El Papa festejó el shabat con su amigo Abraham Skorka; planean viajar juntos a Tierra Santa el año próximo
Por   | LA NACION
ROMA.- Nunca antes en la historia de las relaciones judeocristianas un papa había tenido charlas, desayunos, almuerzos y cenas con un rabino, incluso en días festivos para el judaísmo como el shabat , en los que el Pontífice comparte el rito de la bendición de los alimentos y supervisa si la comida de su invitado es kosher . Ahora, todo eso ocurre con Francisco.
"Y esto hay que contarlo porque nuestra amistad es una señal de que se puede avanzar en el diálogo interreligioso", dice el rabino Abraham Skorka, amigo del ex arzobispo de Buenos Aires y protagonista en estos días de una situación sin precedente entre un papa y un rabino en el Vaticano.
Porteño de 63 años, rector del Seminario Rabínico Latinoamericano y autor junto con el ex cardenal primado de Buenos Aires de Sobre el cielo y la tierra , Skorka viajó a Roma invitado por la Comunidad de San Egidio para participar de un encuentro internacional por la paz.
Pero se hospeda en la residencia de Santa Marta, el nuevo hogar de su amigo, el Papa, junto a quien quiere seguir avanzando en el camino, dando un ejemplo.
"Amén de la amistad, ahora tenemos un desafío espiritual: en qué medida podemos dar un mensaje de paz, en qué medida lo nuestro puede hacer esa marca en la historia que queremos hacer", dice Skorka a LA NACION en un salón de la planta baja de la residencia de Santa Marta.
En concreto, el Papa y su amigo rabino planean ir juntos a Tierra Santa el año próximo. Francisco fue invitado a esa zona caliente del mundo tanto por Israel como por la Autoridad Nacional Palestina. Además, el patriarca ecuménico de Constantinopla, Bartolomeo I, líder de la Iglesia ortodoxa, quiere conmemorar los 50 años del encuentro entre Atenágoras y Pablo VI en Jerusalén.
 
El rabino Abraham Skorka, amigo del ex arzobispo de Buenos Aires. Foto: LA NACION / Elisabetta Piqué
 
"Estamos soñando con el Papa ir juntos a Israel pronto, se está trabajando en el tema y yo lo acompañaría también a Belén, en los territorios palestinos. Su presencia ayudaría mucho, ya que en este momento se están retomando las conversaciones de paz", revela el rabino argentino.
"Sueño con un abrazo con él delante del kotel, el Muro de los Lamentos, y con ir juntos a Belén, donde nació Jesús. Yo no dejo de ser judío por ello y él va a seguir manteniendo su fe. Las dos espiritualidades tienen que tener un punto de encuentro. ¡No podemos vivir en un mundo donde uno aborrezca el otro, hay que tender puentes!"
Aunque pueda parecer una utopía pensar en un escenario de paz en el conflicto palestino-israelí, Skorka destaca que Francisco se transformó en un referente espiritual no sólo para su propia iglesia, sino para el mundo. Su llamado a la paz en Siria, su convocatoria a una jornada de ayuno y oración para detener una ofensiva militar estadounidense sobre ese país fueron hechos de gran impacto. "Los actos calan más hondo que los juegos políticos y militares", precisa el rabino.
"Tenemos tradiciones distintas, pero estamos creando un diálogo que no existió por siglos entre católicos y judíos. Los dos creemos que Dios de alguna forma tiene que ver con nuestra amistad y con lo que hacemos. Hay demasiadas coincidencias para creer que todo fue casual", reflexiona Skorka.
"Nosotros no estamos para la foto, sino que lo nuestro tiene que ser un disparador para repensar las cosas. Hay que avanzar para construir puentes de diálogo, pero un diálogo viviente, no de palabras, sino un diálogo de actos, que refleje nuestro compromiso", insiste.
Skorka sabe que no es una misión fácil. De hecho, destaca: "En Europa muchos cristianos y muchos judíos no pueden entender nuestra amistad, es un shock". Pero está convencido de que "la historia, más que por planteos políticos, se hace a través de los actos".
Aunque ya había estado con Francisco en junio pasado, Skorka no oculta su asombro al ver que su amigo no cambió. "Pese a que él es el Papa y alcanzó el mayor nivel, su relación conmigo es la misma y más profunda. Mi conclusión es que su humildad creció más aún", dice.
Lo que más lo conmueve es cómo lo cuida, cómo lo respeta. "Para mí son días festivos, tengo que hacer ciertas bendiciones a la hora de las comidas y él me acompaña. Además, me supervisa la comida, controlando que sea kosher ", cuenta.
-¿Cómo lo vio a Francisco?
-Es el mismo, pero a la vez es otro. Parece más joven, con más ímpetu. Él era una persona de sonrisa difícil y comprendió que tenía que ser una persona de sonrisa amplia. Pero en el plan de trabajo no hay cambios. Lo veo con mucha energía y si en junio estaba en la "fase de luna de miel", ahora lo veo concentrado, en la fase del trabajo y el trabajo es arduo.

Contra los chimentos

En el Vaticano, "el diablo busca crear la guerra interna, una suerte de guerra civil y espiritual. Es una guerra que no se hace con las armas, que nosotros conocemos: se hace con la lengua". El Papa volvió ayer a condenar los chimentos, la cizaña y las habladurías internas del Vaticano, en una homilía que pronunció en una misa para el Cuerpo de la Gendarmería Pontificia..

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Miguel Júdice

José Miguel Júdice: “Precisávamos de acabar com estes partidos”


Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o advogado diz que Passos Coelho e António José Seguro "são a mesma pessoa" e caracteriza Paulo Portas como "histérico". Falta uma revolução para mudar o país, defende.

Júdice é advogado e foi militante do PSD, tendo depois saído e apoiado o PS na candidatura a Lisboa Nuno Ferreira Santos/Arquivo
 
     Tópicos
Um golpe de estado, uma revolução, enfim, uma ruptura. É disto que Portugal precisa para mudar o sistema político e instituir o presidencialismo, “a única solução” para os problemas do país, defende o advogado José Miguel Júdice, em entrevista ao Jornal de Negócios.
“Precisávamos de acabar com estes partidos”, afirma Júdice, numa entrevista de seis páginas publicada na edição desta sexta-feira daquele jornal, na qual afirma sem pudor o que pensa sobre actuais líderes políticos e até sobre os que já deixaram o poder.
“O Pedro Passos Coelho e o António José Seguro são a mesma pessoa. São amigos, tratam-se por tu. Depois atacam-se em público como se fossem os maiores inimigos”, declara. Passos “tem tido coragem”, mas não chega. "Um Governo tem que ter no primeiro-ministro o melhor deles todos", afirma, sugerindo que quem aceitar ser ministro de Passos Coelho vai olhá-lo "de cima para baixo". Seguro, por seu lado, “é um maçador” e "obsessivo". Sobre Paulo Portas, diz que é “um político profissional”, “um homem implacável” sem amigos nem aliados. É ao mesmo tempo “emocional” e “histérico”, considera.
O ex-militante do PSD, partido do qual se desfiliou para depois apoiar a lista do PS à Câmara de Lisboa em 2007, não tem melhor opinião sobre Cavaco Silva, a quem nunca reconheceu “coragem”. “Cavaco podia ter feito todas as reformas e não fez praticamente nenhuma”, afirma Júdice, referindo-se ao período em que Cavaco foi primeiro-ministro. E agora que “o país está sequioso” de uma ruptura, o Presidente “não é capaz de [a] fazer”, critica.
Questionado sobre que políticos tiveram coragem em Portugal, nomeia três: Mário Soares, Sá Carneiro e José Sócrates. Actualmente, “não há ninguém (…) que tenha poder”, à excepção da troika, ou melhor, de Angela Merkel, observa.
A solução para o país passa pelo presidencialismo, defende. E quem poderia liderar esse sistema? Júdice responde: “Nenhum deles está com pachorra para isto, mas Rui Vilar e Artur Santos Silva são duas pessoas que têm as características para uma coisa dessas.”
Rui Vilar, economista e antigo presidente da Fundação Gulbenkian, garantiu nesta quinta-feira ao PÚBLICO que não foi sondado para mediar o acordo entre os três partidos que assinaram o Memorando de Entendimento, anunciado na quarta-feira por Cavaco Silva. Questionado sobre se estaria disponível para aceitar esse convite, caso fosse formulado, disse que “é uma questão que não se põe”.
Artur Santos Silva é banqueiro e substituiu Vilar na presidência da fundação, e pediu recentemente um “compromisso sério entre os principais partidos para durante “duas ou três legislaturas” devolver o país ao caminho do crescimento.
Para liderar um golpe de estado escolheria "homens moderados", como o economista Vítor Bento, que "sabe exactamente o que é que é preciso fazer", e António Pires de Lima, que chegou a ser apontado como "ministeriável" na remodelação do governo.
Segundo uma nota do jornal, a entrevista a Júdice é anterior à comunicação de Cavaco Silva ao país. Contactado depois disso afirmou que os acontecimentos de quarta-feira fortalecem o que pensa sobre os partidos e o Presidente.

 

VIVA A MÚSICA!

"http://www.youtube.com/embed/44UC6muN8KY"

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Marie Térèse Carreira
Marie Térèse Carreira shared Vivre à travers nos Anges's photo
Timeline Photos
Like · Comment · Share

PIRÂMIDE SUBMERSA NO MAR DOS AÇORES

Keith Xavier de Herédia 26 de Setembro de 2013 4:21
Pirâmide submersa gigante encontrada nos Açores (com video) | Ciência Online - Saúde,...
www.ciencia-online.net
Um velejador português descobriu uma pirâmide submersa com 60 metros de altura e 8 mil metros quadra...

A RIQUEZA DA NOSSA LÍNGUA


PORTUGAL ÚNICO

A língua Portuguesa - a nossa língua - tem certas particularidades que fazem dela uma língua sui generis.

Exemplo:
Em todas as poucas línguas europeias que conheço, as ideias de brincar e jogar exprimem-se pela mesma palavra.

Vejamos:

Em francês:
Jouer avec des poupées
Jouer le futbol

Em italiano:
Giocare con le bambole
Giocare calcio

Em inglês:
To play with dolls
To play football

Em alemão:
Spielen mit Puppen
Spielen Fussball

Mas, em português:
Brincar com bonecas
Jogar futebol

Já noutras ocasiões chamei a atenção para certas "irregularidades" do português.

A verdade é que tendo a nossa língua derivado do latim, ela é inquestionavelmente europeia, mas não é só europeia: é também árabe, negro-africana, sul-americana e asiática.

Por isso e por outras razões, o verdadeiro Portugal, o genuíno, não se enquadra bem na URSE (União da Repúblicas Socialistas Europeias, vulgo UE).

Temos de dizer (insistentemente) a esses gajos, de dentro e de fora, que nos querem escravizar ao seu sonho de poder, que Portugal não é um país europeu que se agache às determinações dos tubarões, europeus ou não. Somos grandes, porque a história nos fez grandes; duma grandeza que não se mede em km2, nem em milhões de dólares, nem em mísseis de cruzeiro, nem sequer em graus de parvoíce.

Nós somos nós! Apenas!

Joaquim Reis

A LINGUA PORTUGUESA

Henrique Salles da Fonseca
Henrique Salles da Fonseca 26 de Setembro de 2013 8:16
PORTUGAL ÚNICO

A língua Portuguesa - a nossa língua - tem certas particularidades que fazem dela uma língua sui generis.

Exemplo:
Em todas as poucas línguas europeias que conheço, as ideias de brincar e jogar exprimem-se pela mesma palavra.

Vejamos:

Em francês:
Jouer avec des poupées
Jouer le futbol

Em italiano:
Giocare con le bambole
Giocare calcio

Em inglês:
To play with dolls
To play football

Em alemão:
Spielen mit Puppen
Spielen Fussball

Mas, em português:
Brincar com bonecas
Jogar futebol

Já noutras ocasiões chamei a atenção para certas "irregularidades" do português.

A verdade é que tendo a nossa língua derivado do latim, ela é inquestionavelmente europeia, mas não é só europeia: é também árabe, negro-africana, sul-americana e asiática.

Por isso e por outras razões, o verdadeiro Portugal, o genuíno, não se enquadra bem na URSE (União da Repúblicas Socialistas Europeias, vulgo UE).

Temos de dizer (insistentemente) a esses gajos, de dentro e de fora, que nos querem escravizar ao seu sonho de poder, que Portugal não é um país europeu que se agache às determinações dos tubarões, europeus ou não. Somos grandes, porque a história nos fez grandes; duma grandeza que não se mede em km2, nem em milhões de dólares, nem em mísseis de cruzeiro, nem sequer em graus de parvoíce.

Nós somos nós! Apenas!

Joaquim Reis

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

GAVANA E O MANDO EM GOA



grupo Gavana,pe.Tomas Sequeira,Emiliano Cruz,entre mts.outros.


· Comentar

terça-feira, 24 de setembro de 2013

ANTÓNIO ALVES CAETANO


Escutem António Alves Caetano

Irmão de Marcelo Caetano analisa o próximo corte de pensões
DIVULGUEM O MAIS POSSÍVEL ! Força……é preciso!!
  Artigo de António Alves Caetano, irmão de Marcello Caetano, que os jornais se recusam a publicar, sobre as pensões dos reformados e pensionistas.
Pela fala do Senhor Primeiro-Ministro fica-se a saber da existência de pensões de aposentadoria que estão acima daquilo que resultaria da correta aplicação do Cálculo Actuarial aos descontos que fizeram.

Sendo assim - e não há razões para admitir que o Senhor Primeiro-Ministro não sabe o que diz - estamos perante situações de corrupção. Porque o Centro Nacional de Pensões e a Caixa Geral de Aposentações só podem atribuir pensões que resultem da estrita aplicação daqueles princípios actuariais aos descontos feitos por cada cidadão, em conformidade com as normas legais.

Portanto, o Estado tem condições de identificar cada uma dessas situações e de sancioná-las, em conformidade com a legislação de um Estado de Direito, como tem de sancionar os agentes prevaricadores, que atribuíram pensões excessivas.

Mas, é completamente diferente a situação face aos cidadãos que celebraram contratos com o Estado. Esse contrato consistia em que, ano após ano, e por catorze vezes em cada ano, o cidadão entregava ao Estado uma quota das suas poupanças, para que o mesmo Estado, ao fim dos quarenta anos de desconto lhe devolvesse essa massa de poupança em parcelas mensais, havendo dois meses em que era a dobrar, como acontecera com os descontos.

E tem de ser assim durante o tempo em que o cidadão estiver vivo e, em parte mais reduzida, mas tirada, ainda, da mesma massa de poupança individual, enquanto houver cônjuge sobrevivo.

E esta pensão tem o valor que o Estado, em determinado momento, comunicou ao cidadão que passava a receber. Não tem o valor que o cidadão tivesse querido atribuir-lhe.

Portanto, o Estado Português, pessoa de bem, que sempre foi tido como modelo de virtudes, exemplar no comportamento, tem de continuar a honrar esse estatuto.

Para agradar a quem quer que seja que lhe emprestou dinheiro para fazer despesas faraónicas, que permitiram fazer inumeráveis fortunas e deram aos políticos que assim se comportaram votos que os aconchegaram no poder, o Estado Português não pode deixar de honrar os compromissos assumidos com esses cidadãos que, na mais completa confiança, lhe confiaram as suas poupanças e orientaram a sua vida para viver com a pensão que o Estado calculou ser a devida.

As pensões que correspondem aos descontos que cada qual fez durante a vida ativa nunca poderão ser consideradas excessivas. Esses Pensionistas têm de merecer o maior respeito do Estado. Têm as pensões
  que podem ter, não aquelas que resultariam do seu arbítrio.

E é este o raciocínio de pessoas honestas. Esperam que o Estado sempre lhes entregue aquilo que corresponde à pensão que em determinado momento esse mesmo Estado, sem ser coagido, lhes comunicou passariam a receber na sua nova condição de desligados do serviço ativo. Ou seja, a partir do momento em que era suposto não mais poderem angariar outro meio de sustento que não fosse a devolução, em fatias mensais, do que haviam confiado ao Estado para esse efeito.

Os prevaricadores têm de ser punidos, onde quer que se situem todos quantos permitiram que, quem quer que seja, auferisse pensão desproporcionada aos descontos feitos, ou mesmo, quem sabe, sem descontos. Sem esquecer, claro está, os beneficiários da falcatrua.

Mas, é impensável num Estado de Direito que, a pretexto dessas situações de extrema irregularidade, vão ser atingidos, a eito, todos aqueles que, do que tiraram do seu bolso durante a vida ativa, recebem do Estado a pensão que esse mesmo Estado declarou ser-lhes devida.

Como é inadmissível que políticos a receberem ordenado de função, acrescido de benesses de vária ordem proporcionadas por essa mesma função, considerem que pensões obtidas regularmente, com valores mensais da ordem de 1.350 Euros proporcionam vida de luxo que tem de ser tributada, extraordinariamente.


António Alves Caetano
 
 
 
 
 

 
 

 
 

 
 
 
Image removed by sender.
 
 

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

IRS

Assunto: Fwd: Preenchimento de IRS :D


Um contribuinte, teve sua declaração rejeitada pelas Finanças porque, aparentemente, respondeu a uma das questões incorretamente.
Em resposta à pergunta: "Quantos dependentes tem?" o contribuinte escreveu:
- 50.000 imigrantes ilegais;
- 10.000 drogados;
- 100 generais e almirantes;
- 13.000 criminosos nas prisões;
- Uma cambada de políticos concentrados em Lisboa;
- Outra cambada espalhada pelos municípios do país.

Como as Finanças não aceitaram o preenchimento, o contribuinte perguntou:
- Esqueci-me de quem?
 
 

ENTÃO COMO AGORA...


 
 No fundo, bem no fundo, nestas questões nada parece ter mudado muito desde 1426....
 
Carta enviada de Bruges, pelo Infante D. Pedro a D. Duarte, em 1426, resumo feito por Robert Ricard e constante do seu estudo «L’Infant D. Pedro de Portugal et “O Livro da Virtuosa Bemfeitoria”», in Bulletin des Études Portugaises, do Institut Français au Portugal, Nova série, tomo XVII, 1953, pp. 10-11).

«
O governo do Estado deve basear-se nas quatro virtudes cardeais e, sob esse ponto de vista, a situação de Portugal não é satisfatória. A força reside em parte na população; é pois preciso evitar o despovoamento, diminuindo os tributos que pesam sobre o povo. Impõem-se medidas que travem a diminuição do número de cavalos e de armas. É preciso assegurar um salário fixo e decente aos coudéis, a fim de se evitarem os abusos que eles cometem para assegurar a sua subsistência. É necessário igualmente diminuir o número de dias de trabalho gratuito que o povo tem de assegurar, e agir de tal forma que o reino se abasteça suficientemente de víveres e de armas; uma viagem de inspeção, atenta a estes aspetos, deveria na realidade fazer-se de dois em dois anos. A justiça só parece reinar em Portugal no coração do Rei [D. João I] e de D. Duarte; e dá ideia que de lá não sai, porque se assim não fosse aqueles que têm por encargo administrá-la comportar-se-iam mais honestamente. A justiça deve dar a cada qual aquilo que lhe é devido, e dar-lho sem delonga. É principalmente deste último ponto de vista que as coisas deixam a desejar: o grande mal está na lentidão da justiça. Quanto à temperança, devemos confiar sobretudo na ação do clero, mas ele [o Infante D. Pedro] tem a impressão de que a situação em Portugal é melhor do que a dos países estrangeiros que visitou. Enfim, um dos erros que lesam a prudência é o número exagerado das pessoas que fazem parte da casa do Rei e da dos príncipes. De onde decorrem as despesas exageradas que recaem sobre o povo, sob a forma de impostos e de requisições de animais. Acresce que toda a gente ambiciona viver na Corte, sem outra forma de ofício.»

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

UNIVERSIDADES INDIANAS

As Universidades indianas já habituaram o mundo à qualidade dos seus licenciados e são um passaporte para o mundo globalizado que funciona fora da Índia. A título de mera curiosidade, registei que em Jaipur a Universidade se localiza longe da cidade num campus cercado e com portão fechado que só se deve abrir pontualmente; nas outras cidades que visitei (com excepção de Agra onde não tratei de esclarecer a situação) as Universidades estão à mão de semear, ou seja, em estreito contacto com a sociedade envolvente. Creio que nada disto acontece por acaso e só fico sem saber se aquela Universidade se isola por motu proprio ou se é a sociedade que a rejeita. Quando a Universidade vive na cidade é porque dela faz parte com naturalidade mas, mesmo assim, todos sabemos que há Universidades que esmagam a sociedade envolvente (tradicionalmente, o caso de Coimbra) e outras que são verdadeiros motores do desenvolvimento (Évora e Aveiro). A Universidade de Goa não terá ainda o mais elevado prestígio dentro do ranking universitário indiano mas tem duas qualidades fundamentais: existe e não esmaga.
 
Tendo o quadro jurídico goês raízes portuguesas, é notável o trabalho que a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa vem desenvolvendo em parceria com a Universidade de Goa mas talvez fosse interessante lançar mais algumas pontes noutras áreas do conhecimento de modo a que o estreitamento das relações bilaterais permitisse maior arejamento de ideias em ambos os lados da cooperação. A Escola Médica de Goa tem tradições que fazem parte da História de Portugal mas estou certo de que novas áreas como as da Engenharia e da Economia poderiam ser motivo para a definição de um modelo de desenvolvimento que Goa tem que redefinir para confirmar a autonomia que tanto lhe custou obter depois de 1961. Se o não fizer corre o risco sempre presente de ser absorvida por um dos Estados vizinhos. Um Estado só existe se tiver particularidades que o distingam das zonas envolventes. Goa tem particularidades que não deveria enjeitar e que, pelo contrário, devia realçar e promover.
 
É claro que me refiro à língua e à religião mas assim como a língua dá sinais de não morrer, a religião nunca quis saber da língua para nada. Contudo, foi à custa da língua que a religião lá entrou …
 
Lisboa, Fevereiro de 2008
  Henrique Salles da Fonseca
(na Grande Mesquita de Delhi)
 


 



 

AS MUDANÇAS ESTÃO PARA BREVE...

Papa prepara “uma reviravolta” na Igreja


Teólogo Anselmo Borges leu na entrevista de Francisco o prenúncio de uma Igreja “menos legalista e moralista”.

Francisco deu a sua primeira grande entrevista ao fim de seis meses de papado Reuters
Uma “reviravolta na Igreja” é como o teólogo Anselmo Borges classifica a entrevista do Papa Francisco divulgada na quinta-feira por várias revistas jesuítas, incluindo a portuguesa Broteria.
“O Papa quer recentrar a Igreja no Evangelho. O que ele diz na entrevista é que, antes da religião, está esta busca pela justiça e pela felicidade das pessoas”, sublinhou o teólogo, aplaudindo de pé a crítica que o novo Papa faz ao “moralismo” e ao “legalismo” reinantes entre os membros da Igreja.
“Ele diz que o edifício moral da Igreja corre o risco de cair como um castelo de cartas, ou seja, a Igreja não pode continuar obcecada por temas como o sexo, não pode estar constantemente centrada nisso.”
Dando provas de uma postura inédita, Francisco faz questão de recusar para si e para a Igreja o papel de juízes relativamente a comportamentos e práticas como a homossexualidade e o aborto. “Se uma pessoa homossexual é de boa vontade e está à procura de Deus, eu não sou ninguém para julgá-la […]. A religião tem o direito de exprimir a própria opinião para serviço das pessoas, mas Deus, na criação, tornou-nos livres: a ingerência espiritual na vida pessoal não é possível”, afirmou o Papa, apelando a uma postura mais compassiva, até porque “o confessionário não é uma sala de tortura, mas lugar de misericórdia”.
Depois de ter lido estas linhas, Anselmo Borges vê a defesa de uma Igreja “mais compassiva e menos julgadora”, capaz de abarcar “as pessoas feridas no sentido moral em vez de as excluir”. O que o teólogo não viu foi uma clarificação sobre se a Igreja “aceita ou não o exercício da homossexualidade” nas mesmas condições da heterossexualidade.
“Acho que ele não se pronunciou claramente sobre isso, pelo menos não do mesmo modo que defendeu recentemente a integração plena dos divorciados recasados, no sentido de eles poderem comungar como todos os outros”, conclui Anselmo Borges.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

REFORMADOS TODOS A VOTAR NULO

Reformados....... Prepatem-se para votar em voto nulo!

 
 
Será isto verdade?
(O efeito do voto NULO)...
 
 
Esta, a partir de agora, vai ser a minha luta!!!!!!
 Reformados........repasse urgente !!!!! ...que  os  da '' peste  grisalha ''  mostrem a força que têm aos ?imberbes fedorentos '' ... faremos a diferença!!!

Aos dignatários do Governo.
Mandante e mandados, fiéis seguidores dos ditames da troika:

Agradeço ao governo pelo que tem feito pelos reformados, pois eles não precisam de aumento (e podem muito bem viver sem 13º e 14º mês), não pagam  luz, gás, rendas, remédios, etc., como todas as outras categorias. Tudo lhes é dado gratuitamente, ao contrário de presidência, governo, parlamentares,  assessores, etc., que têm de trabalhar duro para conseguir o pouco que têm.

Reformado, só trabalhou por 30, 35, 40 ou mais anos, descontando durante esses anos todos para uma Segurança Social que hoje o acha culpado de todos os males.
Reformado vive como teimoso, pois agora já não precisam mais dele, agora que já não trabalha ; é um vagabundo e só serve para receber o valor da reforma.
Além disso, a única greve que os reformados podem fazer é a de não mais morrerem e entupirem um pouco mais os hospitais públicos, com suas doenças.

É ISTO QUE NÓS MERECEMOS DE QUEM NOS DEVIA RESPEITAR?

Não!  Finalmente, é preciso fazer qualquer coisa!
Recordemos que se quaisquer destes políticos lá estão e têm estado, é em resultado do nosso  voto.
Lembremos o que ao longo de 38 anos tem acontecido sucessivamente ao nosso País.

Se para moralizar este sistema tivermos que anular o voto como protesto por todos estes oportunismos, pois que o façamos.
Não resultam a abstenção ou o voto em branco.
Somente uma cruz grande de um canto ao outro do Boletim de Voto.

50% + 1 de votos nulos obrigam à repetição das eleições com outras listas eleitorais.
Imaginemos o impacto que uma votação assim (diferente) teria em Portugal e a imagem que daríamos à Europa e ao Mundo.
Alguém tem que começar e de alguma forma consistente e consciente para os meter todos na ordem.
Acabemos-lhes com os privilégios.
Temos que ser nós a repor isto no seu devido lugar.

É ESSA A NOSSA FORÇA!

No fim, tudo está na nossa mão.
Temos é que atuar com o(s) meio(s) que temos para nos defendermos.
Portugal precisa acordar e começar a pensar seriamente nas próximas eleições, já que os idosos continuam a ser os votantes em maior número no país.
Afinal, será que as redes sociais e os correios electrónicos só servem para brincarmos às ?
Amizades??

Pensemos nisso!...
Não deixem de repassar....

E PREPAREM-SE PARA VOTAR... EM ....VOTO NULO!


LEMBREM-SE:

NÓS SOMOS MAIS DE 3 MILHÕES!



As premonições de Natália Correia

 
> "A nossa entrada (na CEE) vai provocar gravíssimos retrocessos no país, a Europa não é solidária com ninguém, explorar-nos-á miseravelmente como grande agiota que nunca deixou de ser. A sua vocação é ser colonialista".
> "A sua influência (dos retornados) na sociedade portuguesa não vai sentir-se apenas agora, embora seja imensa. Vai dar-se sobretudo quando os seus filhos, hoje crianças, crescerem e tomarem o poder. Essa será uma geração bem preparada e determinada, sobretudo muito realista devido ao trauma da descolonização, que não compreendeu nem aceitou, nem esqueceu. Os genes de África estão nela para sempre, dando-lhe visões do país diferentes das nossas. Mais largas mas menos profundas. Isso levará os que desempenharem cargos de responsabilidade a cair na tentação de querer modificar-nos, por pulsões inconscientes de, sei lá, talvez vingança!"
> "Portugal vai entrar num tempo de subcultura, de retrocesso cultural, como toda a Europa, todo o Ocidente".
> "Mais de oitenta por cento do que fazemos não serve para nada. E ainda querem que trabalhemos mais. Para quê? Além disso, a produtividade hoje não depende já do esforço humano, mas da sofisticação tecnológica".
> "Os neoliberais vão tentar destruir os sistemas sociais existentes, sobretudo os dirigidos aos idosos. Só me espanta que perante esta realidade ainda haja pessoas a pôr gente neste desgraçado mundo e votos neste reaccionário centrão".
> "Há a cultura, a fé, o amor, a solidariedade. Que será, porém, de Portugal quando deixar de ter dirigentes que acreditem nestes valores?"
> "As primeiras décadas do próximo milénio serão terríveis. Miséria, fome, corrupção, desemprego, violência, abater-se-ão aqui por muito tempo. A Comunidade Europeia vai ser um logro. O Serviço Nacional de Saúde, a maior conquista do 25 de Abril, e Estado Social e a independência nacional sofrerão gravíssimas rupturas. Abandonados, os idosos vão definhar, morrer, por falta de assistência e de comida. Espoliada, a classe média declinará, só haverá muito ricos e muito pobres. A indiferença que se observa ante, por exemplo, o desmoronar das cidades e o incêndio das florestas é uma antecipação disso, de outras derrocadas a vir".
>
> Natália Correia
> Fajã de Baixo, São Miguel, 13 de Setembro de 1923 — Lisboa, 16 de Março de 1993
>
> Todas as citações foram retiradas do livro "O Botequim da Liberdade",